Projetos com Fibra

Electrosocks

O projeto Electrosocks foi desenvolvido pela Plataforma Internacional Fibrenamics, em parceria com a Barcelcom Têxteis S.A., e consistiu no desenvolvimento de uma linha de peúgas técnicas e outros dispositivos para a área desportiva, tendo como foco três grandes aspetos: conforto durante a atividade física; prevenção de lesões; e tratamento de lesões através da electroestimulação.

Lesões desportivas, o pesadelo dos atletas de alta competição
As lesões desportivas são um drama que acompanha constantemente treinadores e atletas, assombrando a prática desportiva e provocando custos a diferentes níveis. Tendo em consideração os tipos de lesões mais frequentes em atletas de alta competição, assim como o estudo da anatomia e fisiologia do pé, a Fibrenamics e a Barcelcom acharam pertinente desenvolver uma tecnologia que permitisse o conforto, prevenção e recuperação perante uma situação de lesão.

O projeto Electrosocks teve como objetivo a criação de um portefólio de protótipos personalizados e multifuncionais para a área da saúde e bem-estar, em particular para atletas de alta competição. Este desenvolvimento foi dividido em três conceitos: Conforto, Forças direcionadas e Electroestimulação, que foram posteriormente trabalhados individualmente, mas, após a sua otimização, foram cruzados entre si, dando-lhes multifuncionalidade. Esta característica é importante para prevenir e/ou auxiliar a recuperação de lesões no âmbito desportivo, tais como entorses, contraturas musculares, tendinites do calcanhar de Aquiles, estiramentos, entre outras. Os protótipos desenvolvidos combinaram, de forma estruturada, materiais e estruturas funcionais, permitindo compressão e electroestimulação em zonas bem definidas em função da zona afetada (tornozelo, planta do pé, perna), promovendo o retorno das correntes sanguíneas e, simultaneamente, incrementando a estimulação muscular como forma de acelerar a recuperação. Para além das funcionalidades ligadas ao conforto, como termorregulação e gestão de humidade, os protótipos incluem electroestimulação em pontos definidos, como forma de melhorar a circulação sanguínea de maneira a evitar o aparecimento de edemas e de dor e como forma de prevenção de todos os sintomas indicados associados às patologias em questão. Neste âmbito, foi desenvolvido um protótipo para cada área do corpo mencionada.

Segundo Gaspar Sousa Coutinho, CEO da Barcelcom, “dada a nossa experiência no mercado da recuperação de pequenas lesões, sobretudo em atletas de alta competição onde já tínhamos uma tecnologia de elevado potencial, a recuperação muscular através da Electroestimulação “encaixou-se” perfeitamente como tecnologia complementar”. A Barcelcom havia já desenvolvido uma tecnologia BB-Vein com base na libertação gradual de um anti-inflamatório que trata as inflamações resultantes de pequenas lesões, como por exemplo entorses e/ou inflamações nos ligamentos, com a qual têm obtido excelentes resultados. A electroestimulação está indicada sobretudo para a rápida recuperação muscular após estados prolongados de inatividade física, por exemplo após fraturas. “Assim ambas as tecnologias apresentam uma complementaridade muito interessante e com elevado potencial”, salienta Gaspar Sousa Coutinho.

Uma resposta às necessidades dos desportistas
Os objetivos deste projeto incluíram o desenvolvimento de três grupos de protótipos que podem ser combinados entre si, de modo a dar resposta às necessidades desportivas de diversas modalidades, tendo em conta as seguintes funcionalidades:
• Gestão de humidade por materiais e estruturas funcionais
• Termorregulação por materiais e estruturas funcionais
• Ergonomia por controlo de forças localizadas e multidirecionais
• Controlo de movimento do membro inferior por controlo de forças localizadas e multidirecionais
• Relaxamento muscular por electroestimulação
• Ativação muscular por electroestimulação

Nesse sentido, foram criados um par de peúgas com um “design” adaptado à prática desportiva, tendo em conta o conforto termofisiológico e o conforto sensorial de “toque”, ergonómico e psico-estético; dois pares de peúgas com forças e compressão multidirecional, para correção ou restrição do movimento para prevenir lesões ou auxiliar o tratamento de lesões do tornozelo e da fáscia plantar; e dois pares de peúgas com elétrodos incorporados para tratar lesões do tornozelo e da fáscia plantar com electroestimulação.

Neste projeto, e tal como refere Juliana Cruz, investigadora da Fibrenamics, “a Fibrenamics teve um papel determinante no desenvolvimento e validação de tecnologias com caráter técnico-científico bastante complexo, tais como a introdução da electroestimulação em substratos fibrosos flexíveis e a criação de forças e compressão multidirecional em peúgas, para posteriormente transferir esse conhecimento para o meio empresarial através do desenvolvimento do scale up industrial dos protótipos”.

Um produto com enorme potencial
A Fibrenamics e a Barcelcom são unânimes: o balanço deste projeto é positivo!
Tanto ao nível técnico-científico, estético e funcional do produto, como no que respeita ao feedback do fisioterapeuta Dr. Nelson Azevedo e dos seus utentes, que experienciaram os produtos, o Electrosocks foi muito bem aceite.

A par disso, Juliana Cruz refere ainda que com este projeto “têm surgido vários contactos empresariais e de técnicos de saúde a solicitarem demonstrações e esclarecimentos da peúga para a electroestimulação”, o que mostra um enorme potencial deste produto.

Todavia, as mais-valias não são apenas de âmbito tecnológico. Para Gaspar Sousa Coutinho, este tipo de projetos causa também outros impactos: “é preciso realçar a importância deste tipo de ações, e as relações próximas com a Universidade, no desenvolvimento de uma saudável cultura empresarial para o desenvolvimento e para a motivação dos nossos colaboradores. A inovação não é fácil, exige muito esforço e perseverança, saber aceitar o falhanço e começar de novo e, nesse sentido, é fundamental sentir-se o enorme estímulo resultante da perceção da importância desse trabalho, sentir que vale a pena o esforço”.

Uma parceria com provas já dadas
A Fibrenamics e a Barcelcom haviam já trabalhado anteriormente noutros projetos. A parceria foi iniciada com o projeto PRADEX, uma manga terapêutica para tratamento de linfedemas, onde se obtiveram resultados muitos interessantes tanto por parte dos utilizadores como dos clínicos. Este projeto fez com que “analisássemos em conjunto outras possibilidades de colaboração de desenvolvimento de outros produtos na área da compressão, que pudessem também ser interessantes e necessários no atual mercado”, conta a investigadora da Fibrenamics.

Gaspar Sousa Coutinho realça este trabalho colaborativo referindo que ele incide em duas vertentes fundamentais para a dinâmica inovadora da Barcelcom: “a primeira diz respeito ao apoio tecnológico, de aconselhamento e também nos ensaios laboratoriais, durante o desenrolar dos nossos projetos inovadores, alguns dos quais de grande responsabilidade dada sua dimensão e nível de conhecimento exigido; a segunda pela regular troca de informações relativas ao estado de arte na nossa área de conhecimento e, assim, na deteção de novas oportunidades de desenvolvimento. Foi nesta última vertente desse apoio da Fibrenamics, quiçá a mais importante, que surgiu a ideia de desenvolver o projeto da electroestimulação”.

O CEO desta empresa inovadora, com provas já dadas internacionalmente, assume ainda que a ligação à Universidade do Minho e, em particular, à Fibrenamics é uma condição decisiva para o sucesso empresarial como empresa fortemente inovadora. “Embora estejamos a lidar com mercados de difícil penetração e de retorno demorado, os resultados são francamente positivos, não só nos aspetos tecnológicos, mas também na capacidade de diferenciação em relação a concorrentes ‘pesados’ que muitas vezes não percebem como nós, uma PME, conseguimos fazer muito melhor que eles. Isto só é possível com o apoio da Universidade (nas competências) e do IAPMEI (nos apoios financeiros ao Investimento e Inovação) ”.

Da parte da Fibrenamics existe todo o interesse em continuar a desenvolver projetos deste calibre com empresas com o espírito inovador que caracteriza a Barcelcom. “É sempre muito gratificante o desenvolvimento de produtos junto do meio empresarial. Este projeto trouxe muitos conhecimentos técnico-científicos para o grupo, assim como o crescimento de trabalhos cada vez mais multidisciplinares e a elevada capacidade de transferência de tecnologias laboratoriais para ambientes industriais”, conclui Juliana Cruz.

Electrosocks