Projetos com Fibra

Fibre in Surface

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on Twitter
Fibras Naturais

FibreInSurface é um projeto promovido pela TMG Automotive, em parceria com a Plataforma Internacional Fibrenamics da Universidade do Minho, e com o incentivo do Compete 2020, cujo objetivo consiste na inclusão de fibras naturais em materiais flexíveis para superfícies visíveis e tácteis do interior automóvel, respeitando o desafio de cumprir as exigentes especificações associadas a esta área de aplicação.

Inovação em prol da sustentabilidade

Hoje em dia, cada vez mais se observa um aumento na utilização de materiais provenientes de fontes renováveis. Numa altura em que a economia circular está na ordem do dia, as preocupações dos diferentes fabricantes giram em torno da sustentabilidade. Um exemplo disso é, segundo Luís Silva, da TMG Automotive, o BMW i3, onde as fibras naturais são utilizadas como elementos decorativos, para além do seu uso mais convencional como reforço em materiais estruturais. Contudo, até à data, apenas se encontravam fibras naturais em materiais rígidos.

A partir deste pressuposto, e uma vez que a TMG Automotive se dedica ao revestimento de superfícies do interior automóvel com materiais flexíveis, “surgiu a necessidade de explorar a inclusão destas nos nossos produtos. Desta forma, e dada a estratégia da empresa de crescente envolvimento com as Universidades, com os seus departamentos e spin-offs, foi natural a aproximação à Fibrenamics, uma vez que tem experiência na compatibilização de fibras e na sua adequação às matrizes poliméricas utilizadas internamente, permitindo assim o desenvolvimento de produtos com forte orientação para as normas usadas no interior automóvel e adequados aos processos de transformação” refere Luís Silva.

foram obtidos resultados interessantes no que diz respeito à inclusão de fibras naturais em materiais poliméricos

A Plataforma Fibrenamics da Universidade do Minho, tendo como ADN os materiais fibrosos, evidenciou o seu papel na transferência deste conhecimento existente para a TMG Automotive. De acordo com Fernando Cunha, investigador Fibrenamics responsável pelo projeto, o principal objetivo foi o desenvolvimento de superfícies com a inclusão de algumas espécies de fibras naturais, tendo como enfoque a transferência do conhecimento para se desenvolverem os tratamentos necessários às fibras naturais e estudar a sua compatibilidade com as matrizes poliméricas.

Por sua vez, a TMG Automotive teve o papel de transmitir os requisitos críticos que os produtos têm de cumprir para serem utilizados no interior automóvel, em função do seu processamento e aplicação finais, assim como, a promoção junto de clientes estratégicos.” Partilhamos também conhecimento em relação às formulações poliméricas mais adequadas para serem utilizadas como matriz e o seu processamento interno para obter o produto”, salienta ainda Luís Silva.

No âmbito deste projeto, foram obtidos resultados interessantes no que diz respeito à inclusão de fibras naturais em materiais poliméricos, que podem ser segmentados a diferentes níveis: por um lado, no que diz respeito aos tratamentos a efetuar nas fibras naturais para que estas possam ser utilizadas nos processos produtivos; por outro lado, no que concerne aos resultados obtidos no processamento de materiais poliméricos reforçados com este tipo de materiais fibrosos de origem natural. “Em ambas as vertentes os resultados foram igualmente interessantes. Atualmente estamos em condições de utilizar os resultados obtidos no projeto, ou seja, a utilização de fibras naturais em superfícies flexíveis juntos das construtoras de automóveis”, assegura Fernando Cunha. Contudo, de acordo com a TMG Automotive, há ainda algum trabalho a fazer até à completa industrialização, nomeadamente através de tecnologia de processo. “A TMG continuará a trabalhar nestes materiais até que se chegue a uma solução viável com o objetivo final de os incorporar em automóveis, nomeadamente em carros elétricos, onde o conceito de sustentabilidade está mais presente”, garante Luís Silva.

Universidade e Empresa de mãos dadas

O FibreInSurface permitiu um intercâmbio interessante de experiências e de conhecimento entre as duas entidades envolvidas. Neste contexto, as mais-valias aportadas pela Fibrenamics consistiram na partilha e aquisição de conhecimento na área dos transportes e, especialmente, nos requisitos impostos pelos construtores automóveis. Para além disso, a oportunidade de validar e concretizar as tecnologias e conhecimento desenvolvido pela Fibrenamics no setor industrial, através do desenvolvimento de produtos com valor acrescentado, é uma mais-valia importante para a Plataforma. Por fim, de salientar a oportunidade que a equipa Fibrenamics teve em partilhar experiências e conhecimento com uma empresa de referência no setor automóvel.

Para Fernando Cunha, “este tipo de projetos onde a transferência de conhecimento para a indústria é o principal objetivo é uma mais-valia porque permite a partilha de conhecimento mútuo e multidisciplinar entre as equipas de trabalho. Por um lado, a partilha do conhecimento no âmbito das fibras naturais e a sua incorporação em materiais plásticos, por parte da Fibrenamics, e por outro lado, o conhecimento partilhado pela TMG do ponto de vista das tendências de mercado”.

Na ótica da TMG Automotive, a Fibrenamics teve um papel essencial na pesquisa sobre o estado da arte, assim como na elaboração de estudos preliminares e no contacto com fornecedores de fibras, uma vez que, segundo Luís Silva, possui todo um conhecimento nesta área, quer a nível de publicações científicas quer a nível de contatos dentro da rede. Este foi um projeto importante para a TMG Automotive para a obtenção de pequenos protótipos que serviram para apresentar em Open Days junto de clientes estratégicos, na medida em que “facilitam a discussão deste assunto possibilitando uma melhor perceção do interesse dos mesmos neste tipo de produtos ajudando a definir os próximos passos”, refere ainda Luís Silva.