Vigilância tecnológica

Sixth WPC & NFC – 16 e 17 novembro de 2015

Decorreu nos passados dias 16 e 17 de dezembro, em Colónia, na Alemanha, a Sixth WPC & NFC – 6ª conferência sobre compósitos termoplásticos reforçados por madeira (WPC) e termoplásticos reforçados por fibras naturais (NFC).
Ao longo da conferência foram debatidos seis tópicos, a saber: mercado para os WPC; WPC na construção; Sustentabilidade e reciclagem; desenvolvimento de novos materiais; WPC e NFC em aplicações no setor automóvel e WPC; e NFC para impressão, injeção extrusão.
O mercado europeu da produção de WPC & NFC tem vindo a crescer ao longo dos últimos anos. Este crescimento deve-se às vantagens que estes produtos oferecem comparativamente com os materiais tradicionais, como é o caso da madeira ou o aço, nomeadamente a descoloração da madeira, estanquicidade à humidade, fissuração e durabilidade. Os mais recentes estudos divulgados (em 2012) demonstram que foram produzidas 260 mil toneladas de WPC e de 92 mil toneladas de NFC só na Europa, sendo que no caso dos WPC o mercado do decking representa cerca de 66% da produção, enquanto que no caso dos NFC o mercado automóvel absorveu cerca de 97%. A lista dos principais produtores destes materiais é liderada pela Alemanha com cerca de 45% da produção, seguindo-se a França com 20%.
Uma das áreas de maior interesse, se não mesmo a maior, no setor dos WPC é a construção. Na sessão dedicada a esta temática ficou assente que o decking continua a ser uma grande aposta para este sector, contudo foram apresentadas novas soluções para o mercado da construção. A grande evolução no decking está a ser obtida através do aumento das suas propriedades, nomeadamente resistência aos raios ultra violeta (UV), estabilidade dimensional e uma diminuição da descoloração dos materiais. No que diz respeito ao desenvolvimento de novos materiais, verificou-se uma tendência forte para o conceito multicamada, com a integração do aço e alumínio para elementos verticais fundamentalmente decorativos.

A sustentabilidade e reciclagem são palavras que tem vindo a ganhar uma relevância importante no mercado global e, como tal, não poderia ser esquecida neste setor. Um dos tópicos quentes do debate foi o final do ciclo de vida dos produtos, com Philipp F. Sommerhuber, a alertar para o facto de que os nossos desenvolvimentos (produtores) devem estar focados nos requisitos do cliente mas também no final do ciclo de vida do produto. Além de um ponto interessante de conversa, esta questão da sustentabilidade e reciclagem tem muito de subjetivo. Como tal, algumas organizações tem vindo a trabalhar neste tópico e a definirem princípios e certificações que os produtos deverão obedecer, destacando-se a LEED (Leadership in Energy & Environmental Design), sendo que a Organização Internacional de Normalização (ISO- International Organization for Standardization) também já possui uma norma neste sentido: ISO 14020. Fica uma curiosidade: anualmente são produzidos 80Kg de “lixo plástico” por pessoa.

O tópico seguinte é sempre um dos mais aguardados, uma vez que são apresentados desenvolvimentos nos novos materiais. Nesta matéria, os desenvolvimentos centram-se muito na otimização e melhoria de pequenos processos produtivos com influência direta no desempenho do compósito, como é o exemplo da otimização dos compatibilizadores. O conteúdo apresentado nesta sessão não foi além da componente industrial, não se verificando progressos de ordem científica. Apenas particular destaque para a utilização de lignina com agente compatibilizador.

A área automóvel tem-se revelado um setor de afirmação para os compósitos termoplásticos reforçados por fibras naturais. Foram debatidas as várias aplicações das NFC em peças do interior do automóvel, sendo que, em média, são utilizados 4kg de fibras naturais por veículo, sendo que este número, em certos veículos, pode mesmo atingir os 40kg. Este número é justificado pelas vantagens associadas à utilização das fibras naturais em veículos, nomeadamente menor abrasão durante o processo, reduzida densidade e o facto de serem ecológicas. Foi ainda apresentado o sistema inovador para produção de painéis de porta por parte da Toyota, em que utilizam uma estrutura de fibras naturais orientadas aleatoriamente como reforço e uma matriz termoplástica de polipropileno numa razão de 50%/50%. Este novo processo de moldação por compressão a quente em combinação com o processo de injeção permite obter uma redução de peso na ordem dos 4kg por carro. A grande tendência no setor automóvel continuará a ser a utilização de fibras naturais como elemento decorativo, além da componente de reforço.

Por fim, o último tópico a ser debatido neste encontro foi a adaptação das NFC à realidade da impressão 3D. A impressão 3D tem vindo a crescer nos últimos anos, devido à sua versatilidade. Desta forma, este é um mercado interessante para ser explorado, motivo pelo qual teve uma sessão para debate. Foi possível verificar que já existem algumas empresas com capacidade para a produção de monofilamentos para utilização ao nível industrial, existindo mesmo um leque interessante de produtos, com as matrizes de poliamida (PA), Ácido Polilático (PLA) e Politereftalato de etileno (PET).

Em suma, este encontro reuniu os vários especialistas da área dos WPC e da NFC e, como não poderia ser, a Fibrenamics marcou presença para participação no evento e para demonstrar aos seus parceiros as novas tendências e evolução destes mercados.

WPC & NFC
Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on Twitter