Vigilância Tecnológica

ISPO Munique 2016 – 24 a 27 janeiro 2016

Todos os anos o mundo dos artigos desportivos centra as suas atenções na ISPO Munique, e 2016 não foi exceção. A feira, que se realiza desde a década de 70, reúne anualmente mais de 2600 expositores internacionais, atraindo acima de 80 000 visitantes, oriundos de cerca de 110 países, segundo dados da organização. Ao longo de quase meio século, a ISPO tem consolidado a sua posição de liderança no que respeita à organização de eventos, assumindo-se como uma plataforma para a indústria do desporto, que liga profissionais de todo o mundo que de alguma forma trabalham na área. Apresentou-se, em 1969, como “Feira Internacional de Artigos Desportivos”, e desde então é o evento que define tendências no setor.

Na rede da Fibrenamics são várias as empresas que desenvolvem atividade ligada ao desporto, e algumas delas marcaram presença no evento. Por isso, fomos conversar com Manuel Barros, da LMA, e Pedro Fiúza, da A. Fiúza & Irmão, que fizeram um balanço positivo da participação das respetivas empresas, bem como apontaram as tendências exibidas na feira que decorreu de 24 a 27 de janeiro.

Networking é uma das mais valias
Ambos os empresários foram unânimes em destacar a possibilidade de reunir parceiros e clientes no mesmo espaço, além de potenciar a angariação de novos clientes. Por parte da A. Fiúza, a presença na ISPO é “fundamental para o crescimento neste sector”, sendo que nesta participação – que foi a quarta – e à semelhança de todas as anteriores, “os objetivos foram atingidos”, conforme afirma Pedro Fiúza.

Para a LMA a feira é um dos pontos altos do ano, não só pelas razões já apresentadas, mas também porque a empresa de Santo Tirso é uma habitué nos tops 5 e top 10 das melhores malhas nos fóruns, o que traz um retorno importante a nível de aquisição de novos clientes. Além disso, a LMA é também presença habitual na lista de galardões do ISPO AWARDS, evento que decorre em paralelo à feira, e onde são premiadas as melhores soluções têxteis submetidas a concurso. Nesta edição a LMA logrou a distinção de 10 malhas.

Funcionalizar é a palavra de ordem
Tal como acontece em todas as áreas de aplicação da têxtil, Pedro Fiúza esteve na ISPO e destaca que esta é também uma realidade para o segmento dos têxteis no desporto – a utilização de fibras funcionais – que, segundo o empresário de Barcelos, “parece estar já a surtir efeitos em termos de procura”.
Manuel Barros concorda, identificando como grande tendência “a procura de soluções onde a relação entre o conforto/leveza/funcionalidade estejam presentes”, bem como, acrescenta, “a procura de novas soluções têxteis para a monitorização do nosso corpo”.
A edição de 2017 da ISPO Munique decorrerá de 5 a 8 de fevereiro.

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on Twitter