Desenvolvimento de pensos curativos produzidos por electrospinning incorporando extratos de plantas medicinais

01-09-2015

A Indústria Têxtil tem constantemente inovado e apresentado produtos funcionais que respondem às necessidades do mercado. Um atual requisito é o desenvolvimento de têxteis bioativos a serem usados como dispositivos médicos,  nomeadamente pensos curativos que ofereçam proteção mecânica e ao mesmo tempo sejam capazes de favorecer e até mesmo promover o processo de cicatrização, garantindo uma melhor recuperação da integridade da pele lesada e/ou sensível. A incidência de feridas crónicas provocadas por algumas doenças, o envelhecimento populacional e as infeções provocadas por microrganismos multirresistentes são grandes desafios da atualidade. Assim, a utilização de polímeros biodegradáveis e biocompatíveis, bem como de polissacarídeos microbianos, como novos têxteis biomédicos/hospitalares são excelentes candidatos devido às características únicas que apresentam.

Desta forma, é nosso objetivo implementar uma nova e promissora estratégia para criar estruturas à base de nanofibras produzidas por electrospinning, a fim de desenvolver pensos curativos com maior especificidade, contribuindo para melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

As estruturas à base de nanofibras produzidas por electrospinning reúnem propriedades que promovem o processo de cicatrização do tecido lesado e permitem a incorporação de compostos bioativos.

Assim, a fim de melhorar a cicatrização e de prevenir infeções, a conceção de pensos curativos por electrospinning incorporando compostos bioativos naturais obtidos a partir de plantas como uma fonte de novos agentes terapêuticos tem-se revelado vantajosa, comparativamente com a utilização dos agentes bioativos sintéticos, normalmente utilizados. No entanto, apesar destes compostos apresentarem menor incidência de reações adversas, a sua aplicação é limitada, podendo a sua estabilidade ser afetada devido a possíveis degradações químicas e enzimáticas, perdas por volatilização e decomposição térmica. Portanto, a incorporação destes compostos em emulsões poderá ser uma alternativa viável para que a integridade estrutural e a bioatividade sejam mantidas.

Desta forma, apesar da aplicação dos extratos de plantas em têxteis bioativos ser ainda uma enorme lacuna, a sua incorporação por electrospinning de emulsão em misturas poliméricas para a aplicação de pensos curativos, usados na prevenção e tratamento de infeções de tecidos lesados é um novo e promissor desenvolvimento para materiais têxteis com funcionalidades específicas para aplicações na área da saúde.

Este projeto insere-se no Programa Doutoral de Materiais e Processamentos Avançados (AdvaMTech), é financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) e decorre no âmbito do doutoramento da aluna Cláudia Mouro sob orientação da Prof.ª Dr.ª Isabel Cristina Gouveia (UBI) e do Prof. Dr. Raúl Fangueiro (UMinho).

Consórcio

Financiamento

Universidade da Beira Interior
Universidade do Minho
Fundação para a Cência e a Tecnologia
Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on Twitter